Search
  • BTI Technology & Intelligence

A Coreia do Sul inicia desenvolvimento de satélites liderados por empresas privadas

(Translated and adapted from an article published on the Space News website, available at www.spacenews.com)


O lançamento, essa semana, do satélite de sensoriamento remoto CAS500-1 da Coréia do Sul marcou o início da jornada do país em direção à indústria doméstica de satélites, impulsionada pelo setor privado.


Concepção artística do satélite CAS500-1, da Coreia do Sul. Crédito: Instituto de Pesquisa Aeroespacial da Coreia.

Para esse fim, o Instituto de Pesquisa Aeroespacial da Coreia (KARI), financiado pelo Estado, desenvolveu, em conjunto com um grupo de parceiros da indústria selecionados, a partir de 2015, um satélite de 500 quilogramas, compartilhando suas tecnologias e informações essenciais desde o início.


Com ativos herdados, a Korea Aerospace Industries (KAI), a maior empresa aeroespacial privada do país, está liderando o desenvolvimento de outro satélite de observação da Terra da classe de 500 quilogramas, CAS500-2, sob a orientação da KARI. O satélite está programado para ser colocado em órbita durante o primeiro semestre de 2022 em um foguete russo Soyuz-2, concluindo um acordo de lançamento de duas partes KARI e KAI assinado com GK Launch Services em 2017.


Se a transição ocorrer como planejado, a KARI retirará as mãos do desenvolvimento de uma espaçonave da classe de 500 quilogramas no máximo até 2025 e mudará seu foco para satélites em outras categorias que ainda requerem o apoio do governo.


“A forma como desenvolvemos o CAS500-1 proporcionou um momento decisivo, abrindo um novo capítulo para a indústria doméstica de satélites”, disse Lee Seung-hoon, chefe da Diretoria de Pesquisa de Satélites da KARI. “A indústria vai evoluir de forma que o setor privado lidera o desenvolvimento [de satélites], que antes era feito pelo governo".


O Ministério da Ciência e Tecnologia planeja ajudar na transição, gastando 20 bilhões de won (US$ 17,7 milhões) nos próximos cinco anos na "construção de infraestrutura para o desenvolvimento de satélites e aumento das exportações para países do Sudeste Asiático, Oriente Médio e América Latina", de acordo com um relatório de política espacial publicado em dezembro pelo Instituto de Política de Ciência e Tecnologia (STEPI), administrado pelo Estado. O ministério também planeja hospedar fóruns internacionais e programas de treinamento para cientistas e engenheiros espaciais estrangeiros convidados para aumentar a demanda por satélites feitos na Coréia, disse o relatório.


“Ainda há um longo caminho a percorrer para que a Coreia se destaque na indústria global de satélites. No entanto, este é o primeiro passo significativo na direção certa”, disse An Hyoung-joon, pesquisador do STEPI que é coautor do relatório.


Os especialistas disseram que a KAI se beneficiaria mais com a transição porque é a sucessora escolhida pelo governo para a KARI. E haveria um grupo de beneficiários secundários: fornecedores menores com histórico comprovado.


O satélite CAS500-1 sendo preparado para seu lançamento, a bordo de um Soyuz-2. Créditos: GK Launch Services.

Os candidatos mais prováveis ​​a se juntarem ao grupo são aqueles envolvidos no desenvolvimento do CAS500-1, disse Oh Yo-han, administrador sênior da divisão de cooperação de mídia da KARI.


O satélite - que está voando em sua órbita entre 484 e 508 quilômetros da Terra fazendo testes em órbita - foi projetado para operar a partir de uma órbita sincronizada com o sol para monitorar fazendas, florestas e recursos hídricos com um sensor eletro-óptico capaz de fornecer imagens pancromáticas e multiespectrais com resolução nítida o suficiente para distinguir objetos tão pequenos quanto meio metro de diâmetro.


Em uma declaração de pré-lançamento, a KARI identificou empresas que desempenharam o que Oh Yo-han chamou de "papel fundamental" no desenvolvimento do CAS500-1. “A KARI as selecionou por meio de uma competição aberta com dois critérios principais: capacidade tecnológica e preço”, disse Oh Yo-han. Ele disse que cada novo projeto deve ser realizado com fornecedores recém-selecionados, mas as chances são altas de que empresas com tradição no desenvolvimento de satélites façam um acordo.


“Quanto mais patrimônio, maior a mudança para fazer um acordo. É assim que funciona a indústria espacial ”, disse Oh Yo-han.

3 views0 comments